Ufa Palacio (São Paulo - SP)

Inauguração solene : 12/11/1936
Inauguração pública : 13/11/1936
Programa inaugural :
- Abertura musical (overture) - opera "Salvator Rosa", de Carlos Gomes, seguida da sinfonia da opereta "Boccaccio", de Supé, executadas pelo Centro Musical de São Paulo;
- Curta-metragem (short) - "Butantan", de F. Campos e "As cartas vôam sobre o oceano", da UFA do Rio de Janeiro;
- Longa-metragem - "Boccaccio" (1936), de Herbert Maisch (da UFA alemã), com Willy Fritsch e Paul Kemp.

Idealizador do cinema : Fiore Segreto
Realização : Ugo Sorrentino (diretor da Art Filmes, distribuidora de grandes filmes europeus no Brasil)
Proprietários : Empresa Ugo Sorrentino & Cia. (representante no Brasil da Empresa Cinematográfica UFA, de Berlim)
Construção : Ramos de Azevedo
Projeto : Arquiteto Rino Levi
Engenheiro : Persio Pereira Mendes
Gerente de programas : Fiore Segreto

Endereço : Av. São João, 407 e 419 - Centro

Capacidade (inauguração) : 4000 lugares
Detalhes : ar acondicionado; iluminação com mais de 23 mil lâmpadas; tapeçarias e ornatos vindos da Alemanha; sistema de som Klangfilm, orquestra móvel.
Outras denominações : Ufa Palace

História :
A partir de 25/12/1939, passou a se chamar Art (Ufa) Palacio. Depois, em 01/01/1940Art-Palácio (com administração da Cia. Cinematográfica Serrador). Atualmente, a Prefeitura de São Paulo é proprietária do prédio e tem um projeto de transformar o espaço do antigo cinema em uma casa de espetáculos.

Curiosidades :
- O arquiteto Rino Levi utilizou um método gráfico para o estudo dos problemas de acústica e seu emprego na arquitetura de auditórios e salas de espetáculos, então desconhecidos no Brasil, ficando o projeto famoso justamente por isso, referência na construção de outras salas de cinema que vieram após sua inauguração.
- Localizava-se em um prédio pertencente à Rafaela Pocci Medici.
- Para a inauguração, foi promovido um concurso, através do jornal "Correio Paulistano", para escolher o filme de estreia do cinema, entre eles: "Mayerling", "Butterfly", "Sonho de Valsa", "Miguel Strogoff" e "Boccaccio" (este, premiado na "Exposição de Veneza").
- Comentário sobre a orquestra móvel no jornal "Correio Paulistano": "causou uma impressão esplendida não só a música, como a orquestra, brotando do solo, para, em seguida, desaparecer, logo terminada a música".

Ufa Palacio (São Paulo - SP)

Anúncios de inauguração :

13/11/1936

12/11/1936

Ufa Palacio (São Paulo - SP)

Notícias publicadas no jornal "Correio Paulistano", entre 12/12/1935 e 14/11/1936.

Ufa Palacio (São Paulo - SP)

Fotos diversas :














Art Palácio (São Paulo - SP)

Inauguração : 25/12/1939 (como Art (Ufa) Palacio)
Depois, em 01/01/1940Art Palácio
Endereço : Av. São João, 419 - Centro
Em funcionamento ? : Não
Antes, cine Ufa Palacio.

Breve histórico :
A partir de 23/01/1971, o Art-Palácio foi dividido em duas salas: 
Sala São João, com 1860 lugares e Sala São Paulo, com 1279 lugares. 
Em 11/01/1987, passou a ser administrado pelo Grupo Alvorada. 
Era o cinema lançador dos filmes de Mazzaroppi.
O prédio, agora, pertence à Prefeitura de São Paulo, que tem um projeto para recuperá-lo e transformá-lo em uma casa de espetáculos, uma espécie de "Radio City Music Hall" paulistano.

23/01/1971
11/01/1987
1942

1942

1945

1946

1954

1957

1968

1971

1971

1981

Final dos anos de 1980
2007

Art Palácio (São Paulo - SP)

Fotos diversas :

1950
1951

Marrocos (São Paulo - SP)

Inauguração solene : 24/01/1951
Inauguração pública : 25/01/1951 
(Aniversário de 397 anos da capital paulista)
Filme inaugural : "Memórias de um Médico", com Orson Welles e Nancy Guild.
Endereço : Rua Conselheiro Crispiniano, 352 - Centro
Capacidade : 2000 lugares
A partir de 23/03/1972, salas 1 e 2 (Pullman).
Em funcionamento ? : Não. O prédio encontra-se ocupado por um grupo de "sem-tetos".
Curiosidades : O Marrocos era apontado como o cinema mais luxuoso da América do Sul.
Em 1954, ano do IV Centenário da Cidade de São Paulo, o Marrocos é escolhido como sala oficial do Festival Internacional de Cinema.



O Marrocos ainda possui detalhes originais bem conservados e condições de voltar a funcionar como cinema. O projeto da Prefeitura de São Paulo é de transformá-lo em teatro, mas porque não em um cineteatro ?

Infelizmente, em 01/11/2013, um grupo de famílias do Movimento dos Sem Teto do Sacomã (MSTS) ocupou o prédio onde funcionava o antigo cine Marrocos.





Texto integral do periódico CINE REPÓRTER (Fev./1951) que detalha toda a grandeza e luxuosidade deste cinema em sua inauguração:

E AÍ ESTÁ O MONUMENTAL "MARROCOS"!

A inauguração do melhor e mais luxuoso cinema da América do Sul

O que há de notável na casa de espetáculos da Rua Conselheiro Crispiniano - Distinção, conforto, perfeição técnica - A decoração em motivos das "Mil e Uma Noites" - Dois mil lugares, magníficas poltronas recuáveis, ar condicionado - Fonte luminosa, moderno revestimento de espelhos, bar no salão de espera (este, um ponto de reunião da sociedade paulista) - A cabine e sua aparelhagem - O filme de estreia e os "selos" que serão consagrado.

No dia de S. Paulo - quando a cidade-milagre se comovia e se orgulhava com mais uma festa aniversária - foi entregue ao público o majestoso, o monumental MARROCOS, que é o melhor e o mais luxuoso cinema da América do Sul.
Erguendo-se no belíssimo prédio que recentemente se construiu na Rua Conselheiro Crispiniano (proximidades da sede da 2ª R. M.), o MARROCOS é de propriedade, projeto e construção da Construtora Brasília, com engenheiro responsável Nelson Paulo Scuracchio e arquiteto projetista João Bernardes Ribeiro, estando arrendado à Empresa Brasileira de Cinemas, de que são diretores os Srs. Lucidio Calio Ceravolo, veterano e arrojado cinematografista, e Dr. Mauro Pais de Almeida e Sebastião Pais de Almeida.

UM "SLOGAN" QUE NÃO MENTE
Quem visita a magnífica casa de espetáculos se convence inteiramente de que o MARROCOS merece o "slogan" que o anuncia: - "o melhor e mais luxuoso da América do Sul".
Já à entrada impressiona a ampla escadaria de mármore branco que dá acesso ao "hall" de entrada do cinema, guardado por imponentes e aristocráticas colunas também revestidas de mármore e que dão um aspecto cheio de grandiosidade ao conjunto arquitetônico. Do "hall" de entrada atingem-se as bilheterias internas, localizadas de forma a facilitar a compra dos ingressos sem necessidade de apertos e confusão.



FONTE LUMINOSA, BAR E BELO SALÃO PARA REUNIÕES DA SOCIEDADE PAULISTA
Após as bilheterias situa-se um belíssimo átrio, ornamentado com uma fonte luminosa, em permanente funcionamento, o que irá emprestar um aspecto fidalgo e distinto ao ambiente. Desse átrio saem às escadarias que dão acesso aos balcões, enquanto os espectadores da plateia encontram pela frente um amplo e acolhedor salão de espera, capaz de conter grande número de pessoas dentro das maiores exigências de conforto e bem estar. Um espaçoso "bar" localiza-se à esquerda de quem entra, tendo à frente numerosas mesinhas e cadeiras, dispostas a proporcionar agradáveis momentos aos que esperam o início da sessão ou aguardam amigos ou familiares. Será esta uma característica inteiramente inédita em matéria de cinema entre nós e, certamente, virá contribuir para prolongar por agradáveis momentos, os encontros entre amigos e conhecidos nos intervalos das sessões, fazendo do salão de espera do "Marrocos", o ponto de reunião da nossa sociedade.

A DECORAÇÃO
A decoração do "Marrocos", que esteve a cargo de Jacques Monet e Nizet, revestiu de uma personalidade senhoril e de grande distinção o "hall" de entrada, guarnecido por imponentes espelhos, onde artísticos desenhos irão apresentando os cartazes dos filmes em exibição e por estrear. A mesma guarnição de espelhos reveste o salão de espera, enquanto no átrio, juntamente com a fonte luminosa, encontramos um painel em alto relevo, contando em termos incisivos a história do cinema em suas diversas fases. Os desenhos do piso, de originalidade e concepção extraordinariamente delicadas, são apresentados em bronze e repetidos na mesma disposição, na decoração do teto e nas artísticas cantoneiras dispostas sob os espelhos.
A parte de aplicações, tapeçaria, cortinas e palco estiveram a cargo desse experimentado profissional que é ao mesmo tempo um artista consagrado por excelentes trabalhos que valorizam os mais categorizados cinemas do Brasil - José Maestre.




O EXCEPCIONAL SALÃO DE EXIBIÇÕES - A CABINE - AS POLTRONAS RECUÁVEIS
O salão de exibições do "Marrocos" é de extraordinária amplitude, comportando dois mil espectadores sentados, possuindo poltronas estofadas do novo tipo recuáveis, que dão maior conforto e aproveitam melhor espaço. Possui a maior e mais perfeita instalação de aparelhos projetores de todo o Brasil, SIMPLEX XL, fornecidos por R. Ekerman e dispõe de ar condicionado Carrier, tela de vidro e visibilidade perfeita de todos os seus pontos. A decoração da sala de projeção foi baseada em motivos das lendas árabes das "Mil e Uma Noites", em delicados tons que combinam perfeitamente com o conjunto geral.


O FILME INAUGURAL
O novo e majestoso cinema entregue ao público paulistano apresentou o filme "Memórias de um Médico/Black Magic" (1949), produção executiva de Edward Small, com Orson Welles e Nancy Guild, secundados por Akim Tamirof e Valentinna Cortese, além de grande elenco, com argumento baseado na célebre novela de Alexandre Dumas, em distribuição da United Artists.
Serão lançadores no cine "Marrocos", a França Filmes do Brasil, a United Artists, a Eagle-Lion, a U. C. B. e várias outras. Os lançamentos do "Marrocos" serão alternados semanalmente com as estreias do cine Oasis, simultaneamente com os cines Sabará, Vogue, Jaraguá, Carlos Gomes, Ipiranga, Palácio, Santo Antonio e Pedro I.



O cinema com que o Brasil sonhou ai está: - é o MARROCOS. E necessariamente tinha que se ligar ao importante acontecimento o nome de um cinematografista autentico: LUCIDIO CERAVOLO.

No dia 24, à tarde, autoridades, elementos da sociedade paulista, cinematografistas e imprensa foram fidalgamente recebidos no MARROCOS. Uma agradável reunião, sem duvida. Foi servida uma taça de champanha. Ao microfone houve um desfile de impressões sobre a sala exibidora. Iniciou-se, por convite especial, o diretor de CINE - REPÓRTER, Antenor Teixeira.


Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.

Arquivo do blog

ACESSE O BLOG INICIAL


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.