São Paulo (Dois Córregos - SP)

Atual
Centro Cultural Nilson Prado Telles

Proprietário : Francisco Augusto Prado Telles

Endereço : Av. Dom Pedro I, 320 - Centro - Dois Córregos - SP

Capacidade : 380 lugares

O cinema mais antigo do país em funcionamento pode ser o Cine São Paulo, da cidade de Dois Córregos, interior de São Paulo. Pesquisas recentes apontam que o cinema, agora Centro Cultural Nilson Prado Telles, foi inaugurado em 1911, junto com a chegada da eletricidade no município e continua a exibir filmes até hoje. Oficialmente, quem ocupa este posto é o Cine Olympia, em Belém, no Pará, que funciona desde 24/04/1912.

O Cinema em Dois Córregos 
Discurso de reinauguração proferido por Francisco Augusto Prado Telles

Discurso de reinauguração proferido por Francisco Augusto Prado Telles em 07/08/2015:

Caros amigos dois-correguenses

Hoje devolvo a Dois Córregos o seu cinema centenário, uma casa que sempre foi o Centro Cultural da cidade e, caso raríssimo, em funcionamento até hoje, salvo algumas interrupções como este um ano e três meses em que foi interditado pela justiça e que motivou a reforma para as adaptações necessárias e atender as normas de segurança exigidas pelo Corpo de Bombeiros, agora atestado pelo Alvará de Funcionamento exposto na sala de entrada.

Depois de seis meses de reformas e adaptações, dentro de meu limitado orçamento e por minha exclusiva e insistente iniciativa particular, o cinema ganhou novo forro de PVC, novas instalações elétricas, para-raios, escadas de ferro, corrimãos, guarda-corpos, portas de saída de emergência, barras anti-pânico nas portas, verniz anti-chamas no assoalho, recuperação do telhado e instalação de novo projetor de cinema com lâmpada xênon, mais moderno. As poltronas de madeira foram preservadas mantendo a originalidade do prédio e contam um pouco da nossa história, pois foram produzidas aqui mesmo, em Dois Córregos, pela Fábrica Nacional de Tubos Galvanizados, a FANA, de propriedade do grande empresário dois-correguense, sr. João de Oliveira Simões, o saudoso Janjão.

Este prédio foi construído especialmente para ser cinema em 1910, pelo empresário italiano Mariano Ninno que era empreiteiro e dono de uma loja de materiais de construção da cidade.

Possivelmente ele foi o primeiro empresário a explorar o cinema, que era propriedade da Companhia Elétrica Oeste Paulista e que logo se transformou em Companhia Paulista de Força e Luz. Era conhecido por “Cinema Oeste” com frente para a Av.6 (atual D.Pedro I) e fundos para a Rua Tiradentes. A Av. 6 logo passou a ser conhecida por “Rua do Cinema”. Naquele tempo o projetor movido à manivela era mudo e a eletricidade era usada apenas para a iluminação do salão e da tela com arco-voltaico. As cadeiras eram soltas e muitas vezes o salão era alugado para a realização de bailes e carnavais, fato que perdurou até os anos quarenta. Uma pianola, espécie de piano que tocava sozinho graças a um programa gravado em um rolo de papel perfurado, fazia o fundo musical dos filmes. A banda municipal também era contratada para musicar o espetáculo. “Havia outros dois cinemas na cidade: o “Paulicéia Cinema” e o “Ideal Cinema” (este na Rua 15 de novembro onde hoje é a Funerária Lima), porém eram prédios adaptados. Bailes, teatros, shows musicais, entrevistas, reuniões políticas, beneficentes, sessões solenes, lutas romanas, além da apresentação de filmes de 4 ou 5 partes ( rolos) com intervalos para troca dos rolos. Na década de 20 o cinema Oeste passou a ser chamado de IRIS THEATRO.

Vários empresários passaram por aqui. Em 30 de novembro de 1930 o Sr. Eugênio Franciscone adquiriu os direitos de exploração do IRIS THEATRO do Sr. José Ferreira de Moraes. O Sr. Eugênio colocou novas poltronas em 1933 e o sistema sonoro VITAFONE que lhe causou dissabores, pois o som gravado em discos de 78 rpm ficavam fora de sincronia com o filme o que gerava descontentamento entre os espectadores. Depois de uma reforma mudou o nome para “Cine Theatro São Paulo”.

Em primeiro de fevereiro de 1940 o Sr. Nilson Prado Telles, meu pai, comprou os direitos de exploração do Cine São Paulo de Eugênio Franciscone e em 1942 comprou o prédio que pertencia à Companhia Paulista de Força e Luz. Em 1945 retirou as “frizas”, espécie de camarotes de ingresso mais caro. Em 1948 colocou estas cadeiras produzidas pela FANA e colocou a porta pantográfica de ferro ( que hoje foram recuperadas), em substituição as duas antigas, em arco. Em 1955 instalou os novos projetores Triumpho ( um deles hoje em exposição na sala de entrada), e a tela CINEMASCOPE que era o dobro do tamanho, novidade na época, bem como as arandelas que mudavam de cor no início da sessão e o ventilador gigante sob o palco, para renovar o ar ambiente. Tudo isso há sessenta anos!

Em 1975 o cinema foi arrendado para a Empresa Encipa de Botucatú devido à queda de arrecadação por causa da concorrência da Televisão. Em 1980 foi fechado por aquela empresa por falta de interesse econômico. Em seis de agosto de 1980 eu reabri o cinema com empresa familiar: eu era o projecionista, minha esposa a bilheteira, meu filho Francisco era o porteiro, o Luís Fernando e a Ana Letícia vendiam balas. Assim funcionou até 1992 quando a concorrência com o videocassete determinou o encerramento da empresa. Depois de um breve período fechado a Prefeitura Municipal, sendo prefeito do Sr. João Maziero, alugou o cinema para ser o Centro Cultural Nilson Prado Telles. No sábado dia 18 de setembro de 1992, no domingo e segunda feira, foi exibido o primeiro filme pela Prefeitura, TEMPOS DE GLÓRIA, com entrada franca, e eu no comando dos projetores.

Nestes 23 anos o cinema de Dois Córregos serviu à comunidade graças ao meu empenho pessoal, pois, sem ganhar um centavo a mais que o aluguel, eu pessoalmente operei os projetores, tarefa nada fácil com os rolos de 35 mm, apenas para mantê-lo em atividade, o que ocorreu em centenas e centenas de vezes em sessões para escolas e para o público em geral, com ênfase para o filme TITANIC que em maio de 1998 vendeu quase cinco mil ingressos em mais de 25 sessões, um recorde absoluto!

Alguém poderia dizer: para que reformar um prédio velho para uma atividade que não dá retorno financeiro, uma vez que hoje só há cinema em Shopping Centers? Não seria mais lucrativo vende-lo e investir o dinheiro em outra coisa? Eu respondo que é um ideal de vida. Velho é o que não serve mais. Antigo é diferente. Ele continua servindo à comunidade, possibilitando ao homem ser mais humano, pois, se o animal permanece envolvido pela natureza, o homem, pela cultura, é capaz de transformar essa natureza e criar um mundo novo. O cinema faz parte da cultura do povo de uma cidade. Como cultura ajuda a libertar o homem do determinismo da natureza. Se a cultura se encontra enfraquecida na sua possibilidade de expressão, é o próprio homem que se desumaniza. Eu acredito no cinema como elemento transformador para criar um mundo melhor.

Meus caros amigos dois-correguenses, vamos agora assistir a mais um filme pela tela do Cine São Paulo que teimosamente continua existindo.

Obrigado

Francisco Augusto Prado Telles




São Paulo (Dois Córregos - SP)

Atual
Centro Cultural Nilson Prado Telles

Proprietário : Francisco Augusto Prado Telles

Endereço : Av. Dom Pedro I, 320 - Centro - Dois Córregos - SP

Capacidade : 380 lugares

O cinema mais antigo do país em funcionamento pode ser o Cine São Paulo, da cidade de Dois Córregos, interior de São Paulo. Pesquisas recentes apontam que o cinema, agora Centro Cultural Nilson Prado Telles, foi inaugurado em 1911, junto com a chegada da eletricidade no município e continua a exibir filmes até hoje. Oficialmente, quem ocupa este posto é o Cine Olympia, em Belém, no Pará, que funciona desde 24/04/1912.

São Paulo (Dois Córregos - SP)

Atual
Centro Cultural Nilson Prado Telles

Proprietário : Francisco Augusto Prado Telles

Endereço : Av. Dom Pedro I, 320 - Centro - Dois Córregos - SP

Capacidade : 380 lugares

O cinema mais antigo do país em funcionamento pode ser o Cine São Paulo, da cidade de Dois Córregos, interior de São Paulo. Pesquisas recentes apontam que o cinema, agora Centro Cultural Nilson Prado Telles, foi inaugurado em 1911, junto com a chegada da eletricidade no município e continua a exibir filmes até hoje. Oficialmente, quem ocupa este posto é o Cine Olympia, em Belém, no Pará, que funciona desde 24/04/1912.

São Paulo (Dois Córregos - SP)

Atual
Centro Cultural Nilson Prado Telles

Proprietário : Francisco Augusto Prado Telles

Endereço : Av. Dom Pedro I, 320 - Centro - Dois Córregos - SP

Capacidade : 380 lugares

O cinema mais antigo do país em funcionamento pode ser o Cine São Paulo, da cidade de Dois Córregos, interior de São Paulo. Pesquisas recentes apontam que o cinema, agora Centro Cultural Nilson Prado Telles, foi inaugurado em 1911, junto com a chegada da eletricidade no município e continua a exibir filmes até hoje. Oficialmente, quem ocupa este posto é o Cine Olympia, em Belém, no Pará, que funciona desde 24/04/1912.

Fotos comparativas :

São Paulo (Dois Córregos - SP)

Atual
Centro Cultural Nilson Prado Telles

Proprietário : Francisco Augusto Prado Telles

Endereço : Av. Dom Pedro I, 320 - Centro - Dois Córregos - SP

Capacidade : 380 lugares

O cinema mais antigo do país em funcionamento pode ser o Cine São Paulo, da cidade de Dois Córregos, interior de São Paulo. Pesquisas recentes apontam que o cinema, agora Centro Cultural Nilson Prado Telles, foi inaugurado em 1911, junto com a chegada da eletricidade no município e continua a exibir filmes até hoje. Oficialmente, quem ocupa este posto é o Cine Olympia, em Belém, no Pará, que funciona desde 24/04/1912.

Notícia e anúncios interessantes :

Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.

Arquivo do blog

ACESSE O BLOG INICIAL


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.